quarta-feira, 4 de setembro de 2013

BLAZE BAYLEY – Directv Music Hall/SP – 07/04/2002.


BLAZE BAYLEY – Directv Music Hall/SP – 07/04/2002.

Texto: Júlio César Bocáter. 

Depois de tantas vezes cancelado, desta vez rolou o show do ex-Maiden. Quem abriu foi o paulistano Fates Prophecy, e confesso estar ansioso para este show, não só pela banda mas por tudo que a cercou nestes últimos tempos. A casa ainda estava meio vazia, uma pena, pois o que se viu foi talvez o maior show de Heavy nacional depois do Angra! Muita movimentação de palco (fruto da experiência acumulada), som e iluminação perfeitos e carisma sobrando. E quem roubou o show foi o vocalista Sérgio Faga, que fez sua estréia na banda. O cara é um clone do Bruce Dickinson: meio baixinho, parecido fisicamente e como se veste: se algum míope o visse sem óculos ou lente, pensaria ser Bruce que estava lá. E até sua voz é idêntica, e que garganta! O cara berrava e alongava seu canto que nem sua matriz! Além disso, o cara tem personalidade, chegando a zoar com o público quando o mesmo não correspondia e corria de um lado para outro, pulando os PA´s. 
Despejaram músicas do novo CD Eyes Of Truth que é bem pesado e direto e foge do complexo de Iron Maiden com Wings Of Fire, The Beast Within e The Last Revelation. Do seu debut tocaram as clássicas Sands Of Time e Pay For Your Sins, e Trap do projeto Hamlet. E a cover de quem? Run To The Hills, em que parecia ser a banda de Bruce executando-a. Vale citar a apresentação de Sérgio dizendo como entrou na banda e as homenagens à André Boragina, morto por câncer há meses. Emocionante. 

Logo em seguida sobe ovacionada a banda Blaze, com a casa mais cheia já. Abrindo com The Launch seguida de Futureal do Maiden para delírio coletivo! Seguiram-se músicas de seu primeiro CD Silicon Messiah, como Ghost In The Machine, Evolution, Identify e Como Estais Amigos do Maiden, sendo que Blaze errou, anunciando que esta seria uma faixa do Best Of The Beast, depois riu e se concertou, falando Virtual XI. As músicas do Tenth Dimension são boas como Leap Of Faith e Kill And Destroy, mas ainda desconhecidas e sem previsão para ser lançado por aqui. 
E tome Maiden com When Two Worlds Colides e Virus (esta sim do Best Of The Beast), e o final com Tenth Dimension, o novo disco. Voltando para o bis com Man On The Edge com André Matos (precisa citar o frisson que foi?) e Born As A Stranger. 
Além de carisma e ter um público fiel, Blaze Bayley vive cada música que executa e é mais digno que Paul Dianno, já que não quer apenas ficar na sombra de sua ex-banda, como Paul, que sobrevive apenas de dois discos do passado, Iron Maiden e Killers. 
 Em tempo: mais um show em que o tempo esfria no seu dia de realização.

publicado anteriormente no site Rock Underground em 2002 





Blaze :: DirecTV Music Hall - São Paulo / SP
 


Cesar Dechen

Redação TDM



Em sua primeira turnê pelo Brasil após sua saída do Iron Maiden, em 1999, Blaze Bayley, que em seus shows ainda apresenta algumas músicas da ex-banda, deixa bem claro que a Donzela de Ferro já faz parte de seu passado, pois embora o Iron Maiden tenha ajudado a projetar o seu nome mundialmente, agora, todas as suas energias estão focadas no Blaze, sua nova banda. Com dois álbuns lançados, "Silicon Messiah" de 2000 e "Tenth Dimension" de 2002, Blaze vem aos poucos conquistando o seu espaço e mostrando suas verdadeiras características e qualidades, que ficaram um pouco apagadas em sua passagem pelo Iron Maiden.

FATES PROPHECY
Mas antes do Blaze, às 20h30, quem subiu ao palco foram os paulistanos do Fates Prophecy, formado pelos guitarristas Paulo de Almeida e Conrad Michelucci, Alexandre Ferreira no baixo, Sandro Muniz na bateria e o novo vocalista, Sérgio Faga, que pode demonstrar um pouco de seu impressionante alcance vocal, lembrando Bruce Dickinson.

Com muita energia, o Fates Prophecy fez um show empolgante, colocando os presentes para cantar e agitar junto com a banda o repertório que incluiu "Beast Within", "Trap" e o cover de "Run to the Hills", do Iron Maiden entre outras. Deram o seu recado e mostraram que estão aí, fortes e prontos para seguir adiante.

BLAZE
Com um pouco de atraso, já passando das 22h00, chega a vez do Blaze fazer sua apresentação. Contando com músicos de primeira linha, a banda Blaze é formada por John Slater e Steve Wray nas guitarras, Rob Naylor no baixo, Jeff Singer na bateria, e é claro, Blaze Bayley nos vocais. Infelizmente, foi fraca a presença do público e poucos puderam ver de perto esse que foi um dos melhores shows de Heavy Metal deste ano até o momento, principalmente no que diz respeito a energia, impacto e empatia da banda com o público. Já no início deixaram todos de "queixo caído", principalmente aqueles que foram ao show esperando algo parecido com o Iron Maiden. O Blaze impressionou muito com o seu som extremamente pesado e agressivo, uma de suas características mais marcantes, que remetem ao Metal tradicional dos anos 80.

Mesclando músicas do Maiden com canções dos álbuns Silicon Messiah e Tenth Dimension, o repertório foi composto por "Futureal", "Ghost in the Machine", "Identity, "Silicon Messiah" e "Virus" entre muitas outras. Um dos momentos que mais empolgaram a platéia, foi a participação do recém chegado da Europa, Andre Matos, do Shaman, na música "Man On The Edge".

Com certeza, agora que tiveram a oportunidade de mostrar o seu trabalho para os brasileiros e com os seus CDs sendo lançados por aqui, na próxima turnê o Blaze contará um público bem maior em seus shows por aqui. No que depender da banda, competência e qualidade não faltam para isso.

publicado anteriormente no Território da Música em 07/04/2002


Resenha - Blaze Bayley (Directv Music Hall, São Paulo, 07/04/02)
 


Enfim aconteceu! Depois de tantas datas marcadas e desmarcadas, dia 07/04 aconteceu em São Paulo o show de Blaze Bayley, ex-vocalista do Iron Maiden, e sua banda, Blaze, no Directv Music Hall.



Por volta das 20:30 subiu ao palco o Fates Prophecy, responsável pela abertura da noite. Acabando com todos os comentários que se criaram após o triste falecimento de André Boragina (ex-vocalista), sobre o final da banda, o Fates veio com Sérgio Faga (vocal), Paulo de Almeida (guitar), Conrad Michelucci (guitar), Alexandre Ferreira (bass) e Sandro Muniz (drums). Após uma introdução muito bem preparada, abriram o show com Wings Of Fire. Em seguida veio Beast Within, onde foi possível notar a perfeição do som que não irritava os ouvidos do público.


Não se pode deixar de comentar sobre a performance de Sérgio Faga que mostrou muita habilidade no palco, ainda mais se tratando da responsabilidade que ele teve à frente do Fates Prophecy ao assumir o lugar de André.

Outro destaque da apresentação foi o guitarrista Paulo de Almeida que deu um show de presença de palco, participando ativamente e agitando a galera. Uma das músicas mais bonitas da apresentação foi Trap (Projeto Hamlet) e também a bem executada cover de Run To The Hills (Iron Maiden).

O Fates Prophecy está mais vivo que nunca e provou isso nessa belissima “reestréia”.

Algum tempo depois vem a banda Blaze com Blaze Bayley (vocal), Steve Wray (guitar), John Slater (guitar), Jeff Singer (drum) e Rob Naylor (bass), abrindo com The Launch.

O que mais impressionou foi ver a evolução do vocalista. Parece um novo Blaze no palco, muito mais solto e com uma presença maravilhosa, uma jovialidade incrível, o tempo todo animando, brincando com o público. Realmente ele se destacou durante todo o show, mas também não é possível deixar de destacar as performances do baixista Rob Naylor e do guitarrista John Slater, muito bem elaboradas, mesclando técnica e melodia.

O set foi composto por: Futureal, Ghost in the Machine, Evolution, Identity, Steel, Stare at the Sun, Como, Leap, Kill, Silicon Messiah, Virus, The Brave, 2 Worlds, Tenth Dimension, Man On The Edge, Born a Stranger e Manhunt.

O ponto mais alto do show foi a maravilhosa participação de André Matos em Man On The Edge (do álbum X Factor, primeiro álbum de Blaze no Iron Maiden). O público delirou ao ver André juntamente com Blaze no palco, e realmente foi uma parceria bem sucedida. Nesse momento podemos dizer que o Directv veio abaixo.

Realmente o show do Blaze impressionou a muitos dos presentes que possivelmente não esperavam um show tão bem montado, simples, porém maravilhoso, com peso, agressividade e uma boa dose de simpatia. Podemos dizer que o Blaze Bayley conquistou São Paulo com uma fórmula muito simples: O bom e velho Heavy Metal bem elaborado!


Fonte: Em 07/04/2002 | Resenha - Blaze Bayley (Directv Music Hall, São Paulo, 07/04/02) http://whiplash.net/materias/shows/000933-blazebayley.html#ixzz2dvZWMK5E
 

Cobertura Minuto HM – Review – Blaze Bayley em SP – 07/abril/2002



A banda do ex-vocalista do Iron Maiden, Blaze Bayley (até então denominada apenas “Blaze”), marcou datas para shows no Brasil e demais países da América Latina em meados de 2001, logo após o lançamento nacional de seu primeiro trabalho, intitulado “Silicon Messiah”. Para a alegria de uns e tristeza de outros, antes de começar a “leg” latina a banda gravou seu segundo trabalho, o “Tenth Dimension”, álbum que vazou na internet em dezembro daquele ano e fez a alegria dos usuários do Audiogalaxy, até então o sucessor do Napster!


A banda então adiou os shows que faria por aqui, ou seja, não viria mais para sua primeira tour com um set composto somente com as músicas de seu primeiro álbum, mas sim na tour do “Tenth Dimension”, com um set mais completo! Desta forma tivemos que esperar por mais alguns meses antes de ver Blaze Bayley em ação novamente, coisa que o Brasil não via desde sua última tour com o Iron Maiden, a do álbum Virtual XI, que passou por aqui em 1998.

Era um domingo, dia 07 de abril de 2002, quando fui pela segunda vez ao Directv Music Hall (hoje chamado Citibank Hall) assistir a um show! Por coincidência, cheguei exatamente na hora da abertura da casa, e consegui me esgueirar por entre o pessoal e chegar até a grade! Quem conhece a casa sabe que ela não é das maiores, e que a entrada é lateral ao palco, o que facilitou o trabalho.

As luzes se apagaram pela primeira vez na noite e o Fates Prophecy subiu ao palco para o show de abertura! Apesar de conhecer apenas o álbum “Into The Mind”, o primeiro deles, o som da banda me agradou bastante e gostei bastante do show! Eles fizeram um set curto, e pudemos conferir a primeira apresentação ao vivo do novo vocalista, Sérgio Faga, também vocalista da Children Of The Beast, excelente banda cover de Iron Maiden! Além das músicas de seus dois álbuns, o Fates Prophecy tocou também “Run To The Hills”, do Iron Maiden, e “Trap”, música do excelente projeto Hamlet! Um show que sem dúvida preparou bem a galera para o que estava por vir!

A banda Blaze então sobre ao palco, abrindo o show de forma arrebatadora com “The Launch”, seguida de “Futureal”, em minha opinião uma das melhores músicas compostas por Blaze em sua época no Iron Maiden! Blaze continuou mostrando as músicas de sua carreira solo, claramente demonstrando que naquele momento, sem pressões externas (e sem a preocupação de substituir um dos maiores vocalistas de todos os tempos), ele pôde mostrar toda a sua criatividade em suas composições!

Foi uma porrada atrás da outra: “Ghost In The Machine”, “Evolution”, “Identity”, “Tough As Steel” (uma de minhas favoritas) e “Stare At The Sun”. Uma pequena parada com “Como Estais Amigos”, também do Iron Maiden, para voltar à carga com “Leap Of Faith”, “Kill And Destroy” e “Silicon Messiah”. Os presentes não paravam de pular e cantar por um instante!

Blaze esbanjou carisma. Olhava atentamente a platéia, e quando via alguém parado no meio do público o incentivava a agitar com o resto do pessoal! Isso mesmo, ele ia um por um, apontava pra pessoa e agitava com ela! Blaze conversou muito com o público, dizendo ótimas coisas sobre o heavy metal e sobre o Brasil, arrancando gritos da galera!

Então veio um dos momentos mais esperados: a banda executou “Virus”, um single do Iron Maiden nunca antes tocado ao vivo! Foi possível notar que Blaze teve que ler o começo da letra em um papel, mas mesmo assim a performance foi espetacular! O show seguiu com “The Brave”, “When Two Worlds Collide” e “The Tenth Dimension”!
 
Logo depois a banda começa a tocar Man On The Edge, também do Iron Maiden, quando para a surpresa de todos sobe ao palco André Matos, então vocalista do Shaman, para cantar junto e agitar o pessoal! Pra falar a verdade, foi um dueto um tanto estranho, da voz grave do Blaze com os exagerados agudos do André Matos, mas que obteve boa resposta do público!

E então veio “Born as a Stranger”, com seu refrão cadenciado, pra fechar com chave de ouro uma noite perfeita, que sem dúvida ficou marcada em todos os que puderam presenciar Blaze Bayley com sua melhor formação, em sua melhor forma.

07 de Abril de 2002

Directv Music Hall

São Paulo, SP

BLAZE

SET LIST:

01- The Launch

02- Futureal

03- Ghost In The Machine

04- Evolution

05- Identity

06- Tough As Steel

07- Stare At The Sun

08- Como Estais Amigos

09- Leap of Faith

10- Kill And Destroy

11- Silicon Messiah

12- Virus

13- The Brave

14- When Two Worlds Collide

15- The Tenth Dimension

16- Man On The Edge

17- Born as a Stranger

ABERTURA: FATES PROPHECY

SET LIST:

01- Wings Of Fire

02- Beast Within

03- Sands Of Time

04- Trap

05- Pay For Your Sins

06- Run To The Hills

07- The Last Revelation


Publicado anteriormente no MinutoHM.

Para quem deseja ouvir a participação de André Matos no show de Blaze, segue o áudio:
 

2 comentários:

  1. reza a lenda que esse show foi filmado do camarote por um fã, uma época chegou a circular que existia o dvd desse show, alguém sabe se essa informaçao é verdadeira?
    agradeço desde já

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hunter... provavel, se alguem filmou, deve fazer parte de coleção particular, isso se ainda existir, ou só estar na mão de tape traders, que devem vender cópias.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...